sexta-feira, 3 de outubro de 2008

Agentes de Deus na promoção do Reino.

    ”O mundo se divide em três grupos de pessoas: os otimistas ingênuos, os pessimistas frustrados e os realistas engajados”. Esta frase é parte da conclusão de um artigo de Ed René Kivitz, pastor da Igreja Batista da Água Branca, publicado no site Galilea (www.galilea.com.br). Ele encerra o artigo dizendo que espera somar entre os que estão de mangas arregaçadas, ou seja, entre os realistas engajados. Esta também é a minha esperança. No entanto, sinto que estou mais próximo do grupo dos pessimistas frustrados.

    É triste perceber que, entra ano e sai ano, as coisas só pioram. O ser humano está cada vez mais egoísta, grosseiro, odioso, violento e corrupto. Está cada vez mais inclinado para a prática do mal. Ficamos cada vez menos solidários, bondosos, fraternos, gentis, pacíficos, honestos e amorosos. Você duvida desta afirmação? Então observe o que está acontecendo em nosso país nesta época de eleições. Campanhas políticas baseadas na troca de acusações, xingamentos e, em muitos casos, agressões físicas e assassinatos. Aliás, isso nos mostra que campanhas de baixo nível, com troca de acusações e xingamentos não são exclusividade da política cajatiense, infelizmente. As propostas de melhorias na administração pública cedem lugar a baixaria e conceitos como civilidade e boa educação são engolidos pela barbárie. É um “salve-se quem puder”.

    Diante desse quadro desolador, qual deve ser o posicionamento do servo de Cristo? Sim, porque precisamos nos posicionar! Neutralidade não é coisa de crente. Não creio que possamos ficar quietinhos esperando a volta de Jesus enquanto o mundo caminha para a destruição. Cristo nos resgatou da nossa vã maneira de viver (I Pedro 1.18) para que sejamos um sinal do Reino de Deus em meio a essa sociedade corrompida. Para isso, é importante atentarmos para as palavras do nosso Mestre escritas em Mateus 6.33: Portanto, ponham em primeiro lugar na sua vida o Reino de Deus e aquilo que Deus quer, e ele lhes dará todas essas coisas”.

    O texto acima nos mostra como precisamos nos posicionar, isto é, como promotores do Reino e da vontade de Deus. E esse posicionamento está relacionado não apenas a questões cívicas, mas a todas as questões que envolvem a nossa existência (I Coríntios 10.31). O cristão deve ser um agente do Reino de Deus. Isso significa que a nossa vida precisa glorificar o nome do nosso Pai Eterno. A única forma de promovermos o Reino é promovendo a glória do Rei.

     Cada vez que participamos dos processos de transformações sociais levando em conta a glorificação do nome do nosso Deus, promovemos o Reino. Quando cumprimos o nosso papel como cidadãos o nome do Pai é bendito através das nossas ações. Isso é promover o Reino. Quando nos comprometemos com causas que tenham por objetivo a defesa e/ou a restauração da dignidade humana, promovemos o Reino. Quando nos associamos com pessoas e organizações que trabalham para o bem comum, o Reino é promovido. Quando incentivamos a doação, a solidariedade, o voluntariado, a paz e o amor entre as pessoas, o nome do Senhor é glorificado em nós e, mais uma vez, o Reino é promovido. Quando denunciamos abusos, maus tratos, corrupção, violência ou qualquer outra prática que atente contra a vida, Jesus é percebido em nós. Enfim, existem muitas formas de priorizarmos o Reino (buscai primeiro o Reino de Deus e a sua justiça). Uma não é mais importante que a outra e todas elas são complementares. Independentemente de sermos otimistas ingênuos, pessimistas frustrados ou realistas engajados, a realidade é que a neutralidade e a inércia não são opções ou imperativos para nós. Portanto, mexa-se!

Um comentário:

Pr. Alonso Gonçalves disse...

É um fato a falta de compromisso com a causa pública. Um discurso omisso não condiz com os propósitos do Reino de Deus.